SALA DE IMPRENSA
Blog

Mulheres que Compartilham as Escrituras com os Filhos Têm Influência Duradoura

             

Desde que tinham idade suficiente para ouvir, Moekore e Valencia Estall de Arue, Taiti (Polinésia Francesa), lembram-se de sua mãe, Rava, ensinando-lhes histórias das escrituras. Em particular, elas lembram-se dela falando sobre Néfi, no Livro de Mórmon, que perseverou até obter as placas de latão de Labão.
“Eu irei e cumprirei as ordens do Senhor”, diz Valencia, de 14 anos de idade, citando a escritura conhecida. “Acho que 1 Néfi 3:7 tornou-se o lema de nossa família. Quase todos os dias a minha mãe fala sobre Néfi e sua disposição de seguir o Senhor”.

Ouvindo sua voz

“Quando éramos pequenas, a minha mãe lia histórias das escrituras connosco”, diz Moekore de 16 anos. “Amávamos estar perto dela e gostávamos das gravuras. Ao longo dos anos, aprendemos que quando lemos as escrituras juntos pela manhã, o Espírito permanece connosco o dia inteiro. E quando as lemos juntos, à noite, elas nos trazem paz antes de dormirmos”. Hoje seu irmão mais novo, Kimaru de 6 anos, está a aprender o evangelho como as suas irmãs, desde muito cedo com sua mãe. “Amo ouvir a mãe ler”, diz ele. “Amo ouvir a sua voz”.

Rava Estall não é a única a incentivar o estudo das escrituras em família. O seu marido, Henri Estall, ama as escrituras e compartilha-as com a sua família todo o tempo. Embora esteja muitas vezes ocupado com o trabalho e com as responsabilidades na Igreja como presidente da Estaca Arue, ele regularmente junta-se à família para o estudo das escrituras e as orações. E ele está sempre em casa nas noites de segunda-feira, participando das aulas na noite familiar que têm como base as escrituras.

Cada um dos pais tem um estilo pessoal de ensino.

“O pai explica o que as escrituras significam e como obedecer aos mandamentos”, diz Valencia. “A mãe ajuda-nos a ver a mão do Senhor em todas as coisas, e que precisamos ter as escrituras em nossos corações, bem como em nossas mentes”.
“Enquanto os nossos filhos cresciam” diz o Presidente Estall, “tornou-se evidente para mim que Rava teve uma grande influência neles. Tenho a tendência de ser muito direto: ‘Aqui está um princípio e isso é o que devem fazer’. Mas ela está com as crianças o tempo todo, e as ensina com histórias e exemplos de maneiras carinhosas e tranquilas”.

“Tento prestar atenção ao que está acontecendo em suas vidas para que eu possa lhes mostrar pouco a pouco como o evangelho os ajuda”, diz a irmã Estall. “Tento adaptar os ensinamentos à sua idade e seu entendimento, assim como em momentos especiais em sua vida”.
Acima de tudo, diz ela: “Quero que os meus filhos compreendam as bênçãos que nos foram dadas e que precisamos ter o Salvador connosco para vencer as batalhas da vida”. E assim, a irmã Estall ensina os seus filhos por meio das escrituras praticamente desde que nasceram. Ao fazer isso, ela compartilha um nobre legado.

Guiados pela palavra de Deus

Há evidências de que desde o início da história mortal, mulheres justas ensinaram aos seus filhos lições com base na palavra de Deus. “Adão e Eva bendisseram o nome de Deus; e deram a conhecer todas as coisas a seus filhos e suas filhas” (Moisés 5:12). Lemos no Velho Testamento: “Ouve a instrução de teu pai, e não deixes a doutrina de tua mãe” (Provérbios 1:8).

Estudiosos afirmam que na época de Cristo, “a lei divina colocou nos pais a responsabilidade de ensinar seus filhos sobre seus preceitos e princípios. (…) Até aos seis anos de idade, uma criança era ensinada em casa, principalmente pela mãe” (“Education,” Bible Dictionary). E sabemos que o Salvador cresceu num lar religioso, onde ele “crescia, e se fortalecia em espírito, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava sobre ele”, e que “crescia Jesus em sabedoria, e em estatura, e em graça para com Deus e os homens (Lucas 2:40, 52). Certamente Maria desempenhou um papel significativo nos primeiros anos antes que Cristo, aos 12 anos, surpreendesse os que estavam no templo com seu entendimento e suas respostas (ver Lucas 2:46–47).

O Élder Jeffrey R. Holland, do Quórum dos Doze Apóstolos, expressa este pensamento: “Quero louvar aquelas mãos maternais que balançaram o berço do bebê, e ensinou os seus filhos por meio da retidão, elas são parte central nos propósitos do Senhor para nós na mortalidade.
Falando sobre isso, concordo com o apóstolo Paulo que escreveu em louvor à ‘fé não fingida [de Timóteo] (…), a qual habitou primeiro em tua avó Lóide, e em tua mãe Eunice’ (2 Timóteo 1:5).
‘Desde a tua meninice’, disse Paulo: ‘sabes as sagradas escrituras’ (2 Timóteo 3:15). Damos graças por todas as mães e avós de quem essas verdades foram aprendidas na mais tenra idade” (“Porque Ela é Mãe”, A Liahona, julho de 1997).

As mães de hoje

Os líderes da Igreja frequentemente enfatizam o papel crucial que as mães desempenham em ensinar o evangelho a seus filhos.

           

O Élder D. Todd Christofferson, do Quórum dos Doze Apóstolos, aconselha: “A influência moral de uma mulher é sentida com mais poder e utilizada de modo mais benéfico no lar. Não há melhor lugar para criar a nova geração do que na família tradicional, na qual um pai e uma mãe trabalham em harmonia para sustentar, ensinar e criar os filhos. Nos lugares em que esse ideal não existe, as pessoas esforçam-se para reproduzir esses benefícios da melhor maneira possível na sua situação específica.

Em todos os casos, uma mãe pode exercer uma influência que nenhuma outra pessoa em nenhum outro relacionamento pode igualar” (“A Força Moral das Mulheres”, Conferência Geral de outubro de 2013).

As mães estão frequentemente em condições de permitir que as crianças vejam as bênçãos do evangelho em situações práticas, todos os dias. “Quando uma mãe aproveita pequenas oportunidades para explicar e aplicar o evangelho no dia-a-dia de um filho, ela pode ter uma influência profunda”, disse em 2016 a irmã Joy D. Jones, então Presidente Geral da Primária. “Momentos de ensino e testemunho levam a verdade à mente e ao coração da criança. Aprecio o conselho de Alma: ‘a fim de que preparem a mente de seus filhos para ouvirem a palavra’ (Alma 39:16)”.

As mulheres que não tiveram seus próprios filhos, também podem ajudar a preparar as mentes das crianças para ouvir a palavra de Deus, ao ensinar e nutrir as crianças em sua família e como parte de seus chamados na Igreja. Compartilhar escrituras com as crianças de acordo com o nível de sua compreensão, é sempre uma parte importante do ensino e aprendizado do evangelho.

Prevenidos e protegidos

O Élder Ronald A. Rasband, do Quórum dos Doze Apóstolos, conta como foi abençoado pelos ensinamentos de sua mãe.
“Cresci num lar com recursos muito escassos”, disse ele numa entrevista às revistas da Igreja. “Meu pai era motorista de camiões; e minha mãe ficava em casa para cuidar da nossa família. Estudei em escolas públicas e tive ótimas professoras na Primária na Igreja. Os meus pais adoravam encher o nosso tempo em família com histórias das escrituras. Mas a maior parte do meu aprendizado religioso veio de minha mãe.

Ela adorava ensinar-me. Ela gostava de ler as escrituras para mim. Ela era a presidente da Primária, e ensinava-me com as gravuras da biblioteca da capela. Ela gostava de contar histórias do Velho Testamento e lembro-me que ela me ensinou sobre José. Ela contou como ele foi tentado pela esposa de Potifar. Ela usava aquela história do Velho Testamento, para ensinar-me que as tentações viriam e que eu teria de ser forte para resistir. E elas certamente vieram. Mas eu estava protegido por aquelas experiências que tive muito cedo com os ensinamentos que recebi da minha mãe. A minha mãe preveniu-me sobre o futuro ao ensinar-me sobre as histórias do evangelho encontradas nas escrituras.”

Contribuição de Richard M. Romney, colaborador do Church News. O Church News é uma publicação oficial de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. O conteúdo da publicação apoia as doutrinas, os princípios e as práticas da Igreja.

Pesquisar o Blog

Acerca do Blog

Este blog é gerido e escrito pela equipa de Relações Públicas de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. As informações aqui apresentadas são fiáveis e precisas mas não devem ser necessariamente vistas como declarações oficiais da Igreja. O objetivo deste blogue é de fornecer aos jornalistas, bloggers e ao público contexto e informações adicionais referentes a temas públicos que envolvam a Igreja no país e no mundo. Para aceder a comunicados de imprensa ou a declarações da Igreja, visite www.saladeimprensamormon.pt.

Observação de Guia de Estilo: Em notícias sobre A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, pedimos que use o nome completo da Igreja na primeira referência. Para mais informações quanto ao uso do nome, aceda ao Guia de Estilo.