Comunicados de Imprensa

Igreja Expressa Apoio à Abordagem de "Justiça para Todos"

A "Lei da Igualdade" não oferece proteção para a liberdade religiosa

    

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias está profundamente preocupada com o fato de que os conflitos entre a liberdade religiosa e os direitos LGBT (sigla de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgéneros) estejam a envenenar o discurso civil, corroendo o livre exercício da religião e impedindo que os americanos de boa vontade vivam juntos em respeito e paz. Legisladores em todo o país, incluindo membros do Congresso, estão a trabalhar para promulgar ou fortalecer leis que garantam às pessoas LGBT acesso justo a direitos importantes, como a da não discriminação em áreas como residência, emprego e acomodações públicas adequadas. A Igreja está nesse caminho favorecendo medidas razoáveis que assegurem tais direitos.

Ao mesmo tempo, precisamos urgentemente de leis que protejam os direitos de indivíduos e comunidades religiosas de se reunirem livremente, falar publicamente, servir fielmente e viver abertamente de acordo com suas crenças religiosas, sem discriminação ou retaliação, mesmo quando essas crenças possam ser impopulares. Isso inclui o direito de organizações religiosas e escolas religiosas de estabelecerem padrões de emprego e admissão baseados na fé e preservarem a natureza religiosa de suas atividades e propriedades.

Isso não representa uma mudança ou recuo na doutrina da Igreja em relação ao casamento ou à castidade. Representa o desejo de unir as pessoas, proteger os direitos de todos e incentivar o diálogo na obtenção de resultados mutuamente respeitosos nesse debate nacional altamente polarizado.

Os conflitos entre direitos são comuns e nada novos. Quando surgem conflitos entre a liberdade religiosa e os direitos LGBT, a Igreja defende uma abordagem equilibrada de “justiça para todos” que proteja os direitos mais importantes para todos, enquanto busca compromissos razoáveis e respeitosos em áreas de conflito. A Igreja afirma isso como a melhor maneira de superar as divisões radicais sobre essas questões. A Igreja apoiou a legislação de "justiça para todos" em 2015 na Legislatura de Utah que protegeu com sucesso a liberdade religiosa e os direitos LGBT no emprego e na residência e ajudou a facilitar uma maior compreensão e respeito.

A Lei da Igualdade agora perante o Congresso não é equilibrada e não atende ao padrão de justiça para todos. Embora forneça proteções extremamente amplas para os direitos LGBT, a Lei da Igualdade não oferece proteção para a liberdade religiosa. Em vez disso, ela revogaria os direitos religiosos de longa data sob a Lei de Restauração da Liberdade Religiosa, ameaçaria os padrões religiosos de emprego, devastaria a educação religiosa, provocaria o desinvestimento de numerosas instituições de caridade religiosas e imporia padrões seculares a atividades e propriedades religiosas. A Igreja junta-se a outras organizações religiosas que também se opõem fortemente à Lei da Igualdade como desequilibrada, fundamentalmente injusta e um caminho para novos conflitos.

A Igreja conclama os membros do Congresso a aprovar legislação que proteja vigorosamente a liberdade religiosa e, ao mesmo tempo, proteja os direitos civis básicos das pessoas LGBT. É hora de os sábios legisladores acabarem com esse conflito destrutivo e protegerem os direitos de todos os Americanos.

Comunicado oficial (em inglês) aqui.

Recursos Adicionais

Observação de Guia de Estilo: Em notícias sobre A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, pedimos que use o nome completo da Igreja na primeira referência. Para mais informações quanto ao uso do nome, aceda ao Guia de Estilo.