Comunicados de Imprensa

Compreendendo a Doutrina Mórmon

Muito do desconhecimento acerca de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias anda em torno da sua doutrina. Os meios de comunicação perguntam cada vez mais sobre o que distingue a Igreja de outras confissões e os próprios jornalistas gostam de comparar os credos e as crenças umas com as outras.

A Igreja é receptiva a este interesse, mas o desafio de compreender a doutrina Mórmon não se resolve com o acesso à abundante informação que está disponível. Na realidade, é mais uma questão sobre como esta informação é enquadrada e examinada. Os preceitos doutrinários de qualquer religião são melhor entendidos dentro de um contexto mais lato sendo requerida uma análise ponderada para que se possam compreender.

Os jornalistas que estão pressionados pelos apertados prazos de publicação consideram muitas vezes que isso é problemático. Por essa razão, a par do contínuo crescimento da Igreja em todo o mundo e a atenção que atrai por parte dos meios de comunicação, um conjunto de princípios simples que facilitam uma melhor compreensão podem vir a ser úteis:

  • Nem todas as declarações proferidas por um líder da Igreja, no passado ou nos nossos dias, constituem necessariamente doutrina. Uma declaração individual, feita por um único líder, numa ocasião única, muitas vezes representa uma opinião pessoal, embora bem fundamentada, mas não significa que oficialmente represente a Igreja como um todo. Com inspiração divina, a Primeira Presidência (o profeta e os seus dois conselheiros) e o Quórum dos Doze Apóstolos (o segundo órgão dirigente mais alto da Igreja) aconselham-se em conjunto para estabelecer a doutrina que é consistentemente proclamada em publicações oficiais da Igreja. Esta doutrina assenta nas quatro obras de “escrituras padrão” (a Bíblia Sagrada, o Livro de Mórmon, Doutrina & Convénios e a Pérola de Grande Valor), declarações e proclamações oficiais e os Artigos de Fé. Declarações isoladas são muitas vezes retiradas do contexto, deixando que o seu significado original seja distorcido.
  • Algumas doutrinas são mais importantes que outras e podem ser consideradas como doutrinas nucleares. Por exemplo, a localização precisa do Jardim do Éden é muito menos importante do que a doutrina acerca de Jesus Cristo e do Seu sacrifício expiatório. O erro que os comentadores muitas vezes fazem é que retiram um ensinamento obscuro, que é periférico em relação ao propósito da Igreja e colocam-no no centro das atenções. Isto é especialmente comum em jornalistas ou investigadores que tomam em consideração o modo como outros cristãos interpretam a doutrina dos Santos dos Últimos Dias.
  • Baseando-se nas escrituras, Joseph Smith declarou: “Os princípios fundamentais da nossa religião são o testemunho de Profetas e Apóstolos concernentes a Jesus Cristo, de que Ele morreu, foi sepultado e que se levantou de novo no terceiro dia e que ascendeu aos céus; todas as outras coisas que concernem à nossa religião são apenas meros apêndices.”
  • Devido ao facto de tempos diferentes apresentarem desafios diferentes, os profetas da actualidade recebem revelação que é relevante para as circunstâncias dos nossos dias. É seguido o padrão da Bíblia (Amós 3:7), no qual Deus comunica mensagens e avisos ao Seu povo através de profetas, para garantir o seu bem-estar. Nos nossos dias, o Presidente Gordon B. Hinckley (1910-2008) repetidamente enfatizou a importância da família na crescente sociedade fracturada em que vivemos. Para além disso, a Igreja não exclui futuras adições ou alterações nos seus ensinamentos e práticas. Este aspecto dinâmico e vivo da Igreja permite a flexibilidade que responde aos tais desafios actuais. De acordo com os Artigos de Fé, “Cremos em tudo o que Deus revelou, em tudo o que Ele revela agora, e cremos que ainda revelará muitas coisas grandiosas e importantes relativas ao Reino de Deus.”
  • Os Santos dos Últimos Dias dão grande importância à aplicação da sua fé na vida do dia-a-dia. Por exemplo, a participação activa dos Santos dos Últimos Dias em programas de ajuda humanitária nas suas comunidades ou a nível mundial, reflecte a preocupação que têm pelos outros. Tal como Jesus Cristo declarou, “Pelos seus frutos os conhecereis.”
  • Os membros, individualmente, são encorajados a buscar de forma independente a sua própria confirmação espiritual da veracidade da doutrina da Igreja. De facto, a Igreja exorta as pessoas a aproximarem-se do evangelho não só intelectualmente, mas sim com a ajuda do intelecto e do espírito, um processo no qual a razão e a fé trabalham em conjunto
  • Aqueles que escrevem ou comentam sobre a doutrina dos Santos dos Últimos Dias também precisam entender que certas palavras do vocabulário Mórmon têm significados e conotações ligeiramente diferentes dos que são usados noutras religiões. Por exemplo, os Santos dos Últimos Dias geralmente vêem o conceito de nascer de novo como um processo de conversão, ao passo que outras denominações cristãs muitas vezes entendem esse mesmo conceito como uma conversão que acontece num momento determinado. Às vezes aquilo que algumas pessoas podem considerar como uma discussão ou disputa doutrinária, na realidade não é mais do que um desentendimento baseado em simples diferenças de terminologia.

Os jornalistas, académicos e leigos são encorajados a continuarem as suas abordagens à Igreja reconhecendo o vasto e complexo contexto no qual as suas doutrinas foram declaradas, à luz de um espírito racional e usando de boa-fé.

Observação de Guia de Estilo: Em notícias sobre A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, pedimos que use o nome completo da Igreja na primeira referência. Para mais informações quanto ao uso do nome, aceda ao Guia de Estilo.