Mormon Newsroom

Como a Igreja Lida com o Abuso

Como a Igreja Lida com o Abuso

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias continuará a falar contra o abuso de crianças e jovens. Levamos o abuso infantil a sério, e esforçamo-nos para ser exaustivos em nossos esforços para proteger as crianças e evitar a mágoa, a dor e a vergonha causadas pelo abuso.

Recurso Adicional

Durante o seu ministério terreno, a Jesus Cristo foi perguntado por Seus discípulos, quem Ele considerava o maior no reino dos céus. Ele respondeu convidando uma criança a vir a Ele e disse: “se não vos converterdes e não vos fizerdes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus.... E qualquer que receber em meu nome uma criança tal como esta, a mim me recebe.

O Salvador então advertiu Seus discípulos: “Mas qualquer que escandalizar um destes pequeninos, que creem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma pedra de moinho, e se submergisse na profundeza do mar.”. Mateus 18: 1-6)

Estas são palavras poderosas do Salvador, que também é conhecido como o Príncipe da Paz.

Como seguidores de Jesus Cristo, condenamos, nos termos mais fortes, escandalizar (ofender) ou abusar de crianças. O abuso infantil é desprezível e hediondo. Não é apenas uma doença social e um ato criminoso; é absolutamente proibido pelos mandamentos de Deus. Proteger e cuidar das crianças era uma prioridade para Jesus Cristo em Sua vida (ver Mateus 18: 1-6; 3 Néfi 17: 11-23), e é uma prioridade na Sua Igreja hoje. Nenhuma criança deve ter de suportar abusos. Um único caso é demais.

Nossa primeira prioridade: ajudar a vítima, parar o abuso

O abuso infantil é uma questão que a Igreja leva muito a sério. Quando aprendemos sobre abuso, a nossa primeira prioridade é ajudar a vítima e acabar com o abuso. À medida que a sociedade e a Igreja aumentaram a sua conscientização sobre essa doença perpetuada por pessoas dentro e fora da Igreja, a Igreja tem feito grandes esforços nas últimas décadas para construir entendimento entre os líderes locais da Igreja e fornecer recursos para parar e prevenir abusos, e manter as crianças seguras. Estamos continuamente procurando maneiras de fortalecer o nosso programa proativo para combater o abuso e cuidar daqueles cujas vidas foram prejudicadas por essa prática maligna. À medida que vemos ou aprendemos maneiras de diminuir mais efetivamente o potencial de abuso, logo as implementamos.

As Vítimas são Inocentes

Os constantes esforços da Igreja para prevenir e impedir o abuso infantil refletem os ensinamentos do Salvador de “ajudar um a um”  (ver Lucas 15: 4). Uma vítima de abuso infantil é um filho ou uma filha real e viva de um Pai Celestial amoroso. Toda vítima é um menino ou menina que está a sofrer profundamente. Devemos fazer tudo o que pudermos para protegê-los e amá-los. Pedimos aos nossos líderes e membros locais que apoiem as vítimas, consolem-nas e fortaleçam-nas, e ajudem-nas a entender que o que aconteceu foi errado, o que aconteceu não foi culpa delas e que nunca mais acontecerá.

As Crianças são um Dom de Deus

Acreditamos que a família é ordenada por Deus e que os filhos são um dom de nosso Pai Celestial. Por causa de nossas crenças religiosas e porque o abuso infantil é sempre errado, a proteção das crianças e da família vem em primeiro lugar na Igreja. Toda criança deve saber que está segura para falar com adultos caso tenha ocorrido um abuso. Uma grande rede de líderes da Igreja e profissionais clínicos e jurídicos estão prontos e dispostos a estender a mão com amor para ajudar aqueles que lutam contra os efeitos do abuso.

Política de "Tolerância Zero"

Quando ocorre um abuso infantil, lidamos com isso imediata e diretamente. A Igreja tem uma política de tolerância zero quando se trata de abuso. Isso significa que, se soubermos de um abuso, tomamos as medidas imediatas para proteger a vítima e ajudá-la na cura. Nós cooperamos com a aplicação da lei para denunciar e investigar abusos. Os membros considerados culpados de abuso infantil também estão sujeitos às leis de Deus. Quando alguém é condenado por abuso infantil, enfrenta a disciplina formal da Igreja e corre o risco de perder sua condição de membro da Igreja. Mesmo que o indivíduo não tenha sido condenado em tribunal, eles podem estar sujeitos à disciplina da Igreja e perder sua filiação.

Uma Praga Social

O abuso infantil é uma praga da sociedade sobre a qual aprendemos mais nas últimas décadas.

Quando a Igreja enfrentou alegações de abuso infantil no tribunal, a grande maioria dessas alegações ocorreu décadas atrás, quando a sociedade e a Igreja entendiam muito menos sobre o abuso. A Igreja sempre se preocupou com o bem-estar das crianças: e assim como a consciência do flagelo do abuso infantil cresceu na sociedade, também a Igreja tem estado na vanguarda dos esforços para combatê-lo.

Os Esforços Abrangentes da Igreja para Prevenir o Abuso e Proteger as Crianças

Como a Igreja é composta por membros que são pessoas imperfeitas (a maioria das quais tenta melhorar), não existe um sistema perfeito ou sem falhas; mas a Igreja trabalha incansavelmente para evitar os abusos e proteger as crianças, e constantemente esforça-se para melhorar a sua atuação nessas áreas. Não temos conhecimento de nenhuma organização que faça mais do que a Igreja para impedir e prevenir o abuso.

As congregações podem oferecer grande proteção:

Os nossos membros frequentam a igreja onde moram e os membros geralmente se conhecem e os filhos uns dos outros. Não há clero profissional no nível local da Igreja - todos os líderes são voluntários, leigos e de confiança, que servem por cerca de cinco anos e normalmente vivem na comunidade por um longo período.

Líderes locais de adultos e jovens são vizinhos, pais e amigos. Eles ensinam uns aos outros e aos filhos uns dos outros. Ninguém colocaria conscientemente os seus próprios filhos ou filhos dos vizinhos numa situação em que seriam suscetíveis a abusos.

As instalações e programas são criados para proteger contra o abuso:

Programas e instalações da Igreja são criados para proteger contra o abuso. Desde 2006, todas as salas de aula nas novas capelas têm janelas para que os pais e outras pessoas possam ver as nossas crianças e mantê-los em segurança. A Igreja está em processo de remodelar os edifícios antigos com janelas nas portas de salas de aula.

Para qualquer atividade juvenil, temos uma exigência firme de que pelo menos dois líderes adultos estejam presentes.

Para crianças menores, quando homens são designados para ensinar crianças, pelo menos dois adultos responsáveis devem estar presentes em todos os momentos.

Processo para chamar líderes:

A Igreja faz um grande esforço para selecionar os voluntários que trabalham com crianças e jovens.

Quando um indivíduo é identificado como um candidato a ser chamado para trabalhar com crianças ou jovens, o bispo recebe uma recomendação de outros líderes adultos, entrevista o indivíduo e revê o seu registo de membro da Igreja. Se houver qualquer indicação de abuso anterior, essa pessoa é desqualificada para servir em qualquer atividade com crianças ou jovens. Antes de servir, o indivíduo é apresentado a toda a congregação para um voto de apoio. Os bispos são convidados a entrevistar os líderes da juventude pelo menos duas vezes por ano.

Anotações do registo de membro:

Cada membro da Igreja tem um registo de membro, que inclui informações importantes como data de batismo, casamento, filhos e assim por diante.

A Igreja coloca uma anotação no registo de membro de qualquer membro que tenha abusado de crianças anteriormente. Este registo os segue para qualquer congregação onde eles se transfiram, em qualquer parte do mundo.

Quando um bispo vê a anotação, ele liga para a Igreja e recebe uma orientação clara de que um indivíduo que abusou de crianças não deve receber uma designação com crianças.

Linha de ajuda profissional:

A Igreja reconhece que os seus líderes leigos não são profissionais clínicos ou jurídicos. A fim de capacitar esses líderes com as melhores informações disponíveis e garantir a conformidade com as leis de denúncia de abuso infantil, a Igreja criou uma linha de ajuda 24 horas.

Se um bispo suspeitar ou souber de um abuso, ele é instruído a ligar para um número de linha de ajuda disponível 24 horas por dia, 365 dias por ano. Ele será colocado em contato com um conselheiro profissional para ajudar a vítima, interromper o abuso e impedir o abuso de outras pessoas. Nesse telefonema, o bispo também pode falar com um advogado para certificar-se de que todos os requisitos legais de denúncia sejam cumpridos.

Aconselhamento disponível:

A Igreja oferece e muitas vezes cobre o custo do aconselhamento profissional para as vítimas, independentemente da sua capacidade financeira.

A Igreja acredita que as crianças podem, com ajuda, superar os efeitos do abuso e viver vidas produtivas e cristãs. Por meio da graça de Deus disponível por causa do sacrifício Expiatório do Salvador por cada um de nós, e muitas vezes através da assistência de aconselhamento profissional, as vítimas de abuso podem superar a situação. A Igreja faz tudo o que pode para levar as vítimas ao caminho da cura e da esperança.

Vigilância Contínua

A Igreja procura continuamente melhorar o seu programa para prevenir e impedir o abuso e promover a cura e a paz para as vítimas. Continuamos a procurar maneiras de fortalecer nosso programa proativo para combater o abuso e cuidar daqueles cujas vidas foram prejudicadas por esse mal. À medida que identificamos novas táticas ou abordagens que diminuirão o potencial de abuso, nós as implementaremos.

Abusadores Condenados Não Trabalham com Crianças

Se os condenados por abuso infantil pagarem o preço legal por seus crimes e passarem pelo rigoroso processo de arrependimento, eles poderão ser perdoados e poderão recuperar sua condição de membro da Igreja. Como cristãos, acreditamos no perdão, mas o perdão não significa necessariamente que seja seguro para um ex-abusador trabalhar com crianças.

A Responsabilidade de Educar, Estar Atento

A Igreja incentiva as famílias a conversarem com os seus filhos sobre o abuso infantil e a se conscientizar sobre como reconhecer e prevenir o abuso. Os pais também são incentivados a envolverem-se nas atividades dos seus filhos e a reservar tempo para estabelecer linhas de comunicação abertas e de confiança com os seus filhos. Todos dentro e fora da Igreja têm a responsabilidade de estar alertas e vigilantes contra o abuso. Geralmente, alguém que abusa de outros é habilidoso em enganar e esconder as suas ações. Igrejas, organizações juvenis, famílias e a sociedade como um todo devem todos estar vigilantes.

O Nosso Dever de Proteger as Crianças

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias continuará a falar contra o abuso de crianças e jovens. Levamos o abuso infantil a sério, e esforçamo-nos para ser exaustivos em nossos esforços para proteger as crianças e evitar a mágoa, a dor e a vergonha causadas pelo abuso.

Este é nosso dever como seguidores de Jesus Cristo e nossa responsabilidade como cidadãos das comunidades em que vivemos. Apesar de apenas o Salvador Jesus Cristo oferecer a perfeição, faremos tudo o que pudermos para prevenir, denunciar e abordar o abuso de crianças.
 

Observação de Guia de Estilo: Em notícias sobre A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, pedimos que use o nome completo da Igreja na primeira referência. Para mais informações quanto ao uso do nome, aceda ao Guia de Estilo.