Dia Mundial da Religião

A Importância da Religião: o Anseio Interior

O primeiro artigo de uma série de cinco que aborda a temática da religião e o seu papel nos nossos dias

“A fé capacita-nos para ver o invisível, abraçar o impossível, e dá esperança no incrível." - Reverendo Samuel Rodriguez [1]

O nosso mundo moderno oferece-nos mais opções e possibilidades do que nunca antes. A ciência e a tecnologia ampliam continuamente o nosso conhecimento, e a diversidade de visões religiosas no mundo continua a crescer. Os nossos horizontes parecem estender-se mais longe e mais rápido do que nós somos capazes de assimilar. Mas, no final, continuamos a ser as mesmas criaturas espirituais. Ao longo das nossas viagens o anseio interior perdura.

As religiões partilham uma visão comum: há algo de incompleto sobre nós. E assim ansiamos pela plenitude. Se cada pergunta tivesse uma resposta pronta, não seriam necessárias as orações. Se toda a dor tivesse uma cura fácil, não haveria sede de salvação. Se cada perda fosse restaurada, não haveria desejo de alcançar o céu. Enquanto estas necessidades permanecerem, também permanecerá a religião. É uma parte natural da vida. Ser humano significa experimentar a incerteza, o sofrimento e a morte. A religião, no entanto, é uma escola para fazer com que o caos faça sentido, é um hospital para curar as feridas invisíveis, uma tábua de salvação que nos dá uma segunda hipótese.

Acerca deste ponto, o Rabi David Wolpe ensinou que a religião "tem a capacidade de penetrar num mundo onde existe grande dor, sofrimento e perda, e trazer à tona significado, propósito e paz. "[2]

Embora a religião atenda a essas necessidades, não foi criada por causa delas. A religião não é apenas uma resposta ao sofrimento humano. É transcendente ao ser humano, ela provém de uma fonte superior. A história mostra que homens e mulheres, nos bons e nos maus momentos, buscam a verdade fora de si mesmos, bem como dentro de si. E seguem as respostas que recebem.

Além disso, a religião é a reunião de pessoas únicas numa comunidade de crentes. Mas se a religião ganhar o coração de apenas uma só pessoa, não consegue sustentar a comunidade. As experiências espirituais de cada indivíduo podem ser tão diferentes quanto os próprios indivíduos. Por "vermos através de um vidro escuro," [3] a maioria das coisas na vida desce até à fé. Em última análise, em todos os momentos de procura do divino, é o indivíduo que filtra os detalhes, pesa a evidência, e decide sobre os assuntos de maior importância.” Esta disputa é o processo da fé. Ludwig Wittgenstein escreveu: "Crer em Deus significa ver que os factos do mundo não são o fim da questão." [4]

A vida humana é sobre significados. A nossa natureza leva-nos a perguntas do foro espiritual e do propósito da vida. A Religião oferece um espaço onde as respostas e os significados podem ser procurados, encontrados e finalizados. Essa ligação entre a religião e o propósito continua até hoje.

Quer se trate de estilos de vida saudáveis, de confiança social ou de doações de caridade, as ciências sociais atestam acerca de uma infinidade de formas em que religião beneficia os indivíduos. De acordo com um estudo recente, por exemplo, "aqueles que demonstram estar confiantes na existência de Deus revelam possuir um maior sentido do seu propósito.” [5]

Isto é particularmente relevante hoje em dia. O nosso encontro com a vida moderna muitas vezes é um flash de imagens que brilham e desaparecem - tão rico à superfície, tão negligenciado nos alicerces. Mas a religião e a espiritualidade inspiram a escavações mais profundas e ligam-nos aos fundamentos morais que sustentam o melhor da nossa humanidade partilhada.

Ao longo da sua vida, Will Durant, um historiador de ideias e de culturas, ficou maravilhado com o poder da fé religiosa. Ele próprio, no entanto, não tinha nenhuma crença definitiva a respeito de Deus. No final da sua vida de aprendizagem e de observação, voltou a sua atenção para o significado da igreja. Nas suas reflexões, demostrou que mesmo uma pessoa agnóstica pode sentir o apelo permanente da religião quando perante o desconhecido:

“Estes pináculos das igrejas, apontando para o alto em todos os lugares, ignorando o desespero e promovendo a esperança, estas torres altas da cidade, ou simples capelas nas colinas - sobem a cada passo da Terra para o céu, em todas as aldeias de todas as nações, desafiando a dúvida e convidando os corações cansados para serem consolados. Será tudo uma vã desilusão? Não há nada além da vida, a não ser a morte, e nada além da morte, a não ser a decadência? Não podemos saber. Mas enquanto o homem sofrer, estes pináculos permanecerão.”[6]

Instituições e ideias florescerão enquanto satisfazerem as necessidades reais e duradouras. Caso contrário, tenderão a morrer de “causas naturais”. Mas a religião não morreu. Na década de 1830, ao escrever num momento, em que o seu país natal, a França, estava a desligar-se da religião, Alexis de Tocqueville escreveu que "a alma tem necessidades que devem ser satisfeitas."[7] Ele provou estar correto. Ao longo dos séculos, as tentativas de silenciar estas necessidades falharam. A Religião fornece a estrutura para esse anseio, e as igrejas são a casa da família da fé.

Apesar de serem construídas de madeira, pedra e aço, as igrejas representam algo profundo da alma humana, algo que almejamos descobrir. Mais do que qualquer coisa feita pelo homem, a religião dá sentido e forma à busca individual pelo significado.

 

[1] Samuel Rodriguez, “Religious Liberty and Complacent Christianity,” (“A Liberdade Religiosa e o Cristianismo Complacente)," The Christian Post, 10 de setembro, 2013.

[2] “Why Faith Matters: Rabbi David J. Wolpe (A Importância da Religião: Rabbi David J. Wolpe) palestra proferida na Universidade de Emory, 21 de outubro, 2008.

[3] 1 Coríntios 13:12.

[4] Ludwig Wittgenstein, estrato do diário pessoal (8 de Julho, 1916). P.74e

[5] Stephen Cranney, “Do People Who Believe in God Report More Meaning in Their Lives? The Existential Effects of Belief,”(“As pessoas que acreditam em Deus revelam possuir um maior sentido do propósito das suas vidas? Os efeitos existenciais da crença”), Jornal para o Estudo Científico da Religião, 4 de setembro, 2013.

[6] Will e Ariel Durant, Dual Autobiography (NovaYork: Simon & Schuster, 1977).

[7] Alexis de Tocqueville, Democracy in America (Chicago, Illinois: University of Chicago Press, 2000), 510.

Observação de Guia de Estilo: Em notícias sobre A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, pedimos que use o nome completo da Igreja na primeira referência. Para mais informações quanto ao uso do nome, aceda ao Guia de Estilo.