Comentário

A Igreja e a Sua Independência Financeira

O crescimento de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias a partir de um grupo de americanos novatos nas fronteiras do oeste a uma fé global que abençoa a vida de milhões de pessoas é uma das grandes histórias religiosas bem-sucedidas dos séculos dezanove e vinte. Logo desde o início, os membros da Igreja demostraram uma habilidade notável para colocar de lado os bens materiais e buscar objetivos espirituais. Um dos primeiros membros da Igreja, Martin Harris, hipotecou a sua quinta para pagar a publicação do Livro de Mórmon. Outros exemplos de sacrifício pessoal são abundantes entre os primeiros Santos dos Últimos Dias.

Expulsos de um lado para outro – desde o estado do Missouri ao estado do Illinois até às fronteiras longínquas do oeste americano – os membros da Igreja abandonaram por diversas vezes as suas casas, quintas e explorações agrícolas que tão dedicadamente haviam erguido. Na altura em que empreenderam a grande caminhada final através das planícies americanas rumo às Montanhas Rochosas, muitos deles já se encontravam falidos. As pessoas que chegaram em carrinhos de mão porque não tinham dinheiro para comprar carroções, são um pungente testemunho desse facto.

Brigham Young disse certa vez que, se os Santos dos Últimos Dias pudessem viver 10 anos nos vales das Montanhas Rochosas sem serem importunados, conseguiriam estabelecer-se como um povo independente. Com o tempo, a visão de Brigham Young de um povo próspero, independente e espiritual, em grande parte, acabou por se realizar.

No entanto, a independência financeira total, sem dívidas, levaria várias décadas a ser obtida. Hoje em dia, os historiadores enfatizam que foi apenas no início dos anos de 1900, que a Igreja finalmente começou a libertar-se de décadas de dívidas – e especificam que o ponto de viragem se deu após um sermão proferido pelo Presidente da Igreja Lorenzo Snow, no qual ele desafiou os Santos dos Últimos Dias a renovarem o seu compromisso com o princípio do dízimo.

O dízimo é um antigo princípio bíblico que foi praticado por diversas religiões ao longo dos séculos. No entanto, estudos independentes mostram que na América atual, em mais nenhum outro lugar este princípio do dízimo é tão ampla e fielmente vivido do que no seio dos membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. A grande maioria dos rendimentos utilizados para gerir a Igreja provém do dízimo, e não de negócios ou investimentos.

O dízimo tem-se, assim, revelado como uma grandiosa bênção para a Igreja e para o seu povo, aliado a princípios econômicos simples mas comprovados, tais como os de evitar dívidas, viver de acordo com o rendimento que se tem e economizar algum dinheiro para os tempos difíceis que possam surgir.

A chave para perceber as finanças da Igreja é compreender que são um meio para atingir um fim. Elas permitem que a Igreja leve avante a sua missão religiosa em todo o mundo.

A Igreja é dona de empresas que geram lucro? Sim. Nos primórdios da história da Igreja, enquanto esta se estabelecia no remoto e montanhoso Oeste Americano, alguns desses negócios eram necessários pelo simples facto de que não existiam na comunidade. Gradualmente, com o desenvolvimento de empresas privadas e a decrescente necessidade de ter empresas próprias, estas foram vendidas, doadas à comunidade ou descontinuadas. O banco Zions Bank e o sistema de Hospitais LDS são exemplos disso.

Atualmente, os negócios da Igreja destinam-se a financiar a missão e os princípios da Igreja servindo de fundo monetário para eventuais épocas de crise. As empresas agrícolas que são agora geridas como empresas lucrativas podem ser convertidas como fazendas de Bem-Estar em caso de uma crise global de alimentos. Empresas como a KSL Television e a Deseret News providenciam ferramentas de comunicação estrategicamente valiosas.

Os fundos do dízimo são usados para apoiar cinco áreas chave de atividade:

  • Providenciar instalações ou locais de adoração para os membros de todas as partes do mundo. Temos milhares destes edifícios e continuamos a inaugurar mais, por vezes vários numa só semana.
  • Providenciar programas de educação, inclusive o de apoio às nossas universidades e aos nossos programas de seminário e instituto.
  • Apoiar os programas missionários da Igreja, espalhados por todo o mundo.
  • Financiar a construção e o funcionamento de cerca de 140 templos por todo o mundo e a administração do maior programa mundial de história da família.
  • Apoiar o programa de bem-estar e a ajuda humanitária da Igreja, que ajudam pessoas de todas as partes do mundo – tanto membros como não membros da Igreja.

De vez em quando, algumas pessoas, inclusive jornalistas, tentam atribuir um valor monetário à Igreja da mesma forma que avaliariam os ativos de uma empresa comercial.

Tais comparações simplesmente não funcionam. Por exemplo, as sucursais ou lojas de uma dada empresa comercial têm que se justificar financeiramente, constituindo-se como fontes de lucro. Mas de cada vez que A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias constrói um local para os seus membros de reunirem, essas instalações passam a ser uma fonte de custos e constituem uma obrigação financeira que tem que ser cumprida através de doações por parte dos membros de todas as partes do mundo. A manutenção e a reparação contínuas, a utilização e uso desses edifícios só podem ser alcançados se os membros fiéis continuarem a apoiar a Igreja.

Eventualmente, alguém há-de tentar estimar o rendimento da Igreja e determinar o quanto deste rendimento é usado para cuidar dos pobres e necessitados. E mais uma vez, não hão-de conseguir obter uma visão abrangente. Os princípios fundamentais subjacentes aos programas de bem-estar e de ajuda humanitária são as virtudes cristãs do serviço e da autossuficiência.

Mais de 30 mil bispos que são responsáveis pelas suas congregações têm acesso direto aos fundos da Igreja para poderem cuidar dos que estão necessitados, ao ajudarem os membros a alcançarem a autossuficiência.

No Complexo do Bem-Estar, em Salt Lake City, local onde a Igreja empacota bens para os seus armazéns de distribuição, alguns procedimentos seriam muito mais eficazes se fossem automatizados. No entanto, a Igreja optou por ter linhas de produção que exigem trabalho intensivo de modo a prover oportunidades para as pessoas doarem serviço e para os beneficiários poderem trabalhar por aquilo que recebem. Este não é o procedimento padrão de uma empresa comercial, mas sim um padrão que visa ajudar as pessoas a ajudarem-se a si mesmas. O objetivo da Igreja é o de ajudar as pessoas a superar as barreiras temporais à medida que buscam alcançar valores espirituais.

As estatísticas que são publicadas sobre o nosso programa humanitário incluem apenas os dólares gastos diretamente no serviço humanitário. A Igreja absorve os custos administrativos. Para além disso, tais números não refletem o extenso programa de bem-estar e de emprego que ajudam muitos milhares de pessoas por todo o mundo. Também não incluem as lojas de desconto da Deseret Industries que entregam cupões de comida e de bens para que outras instituições de caridade os possam usar, doações a grandes dispensários de alimentos, o serviço missionário humanitário ou de bem-estar ou ainda a ajuda prestada a outras organizações de auxílio humanitário para realizarem as suas missões. Centenas de milhares de horas de serviço doadas de forma voluntária são a base que suporta cada um destes programas.

A Igreja existe para melhorar a vida das pessoas em todo o mundo trazendo-as para junto de Jesus Cristo. Os bens da Igreja são usados de modo a apoiarem essa missão. Os edifícios são construídos para os membros se reunirem e adorarem a Deus e para lhes ser ensinado o evangelho de Jesus Cristo. Os missionários são enviados para convidarem as pessoas a virem a Cristo. Diversos recursos são usados para providenciar alimento e vestuário aos necessitados e para estabelecer os modos para que as pessoas se possam elevar a si mesmas e tornarem-se autossuficientes. O que é importante não é o custo, mas sim o resultado. O antigo presidente da Igreja Gordon B. Hinckley afirmou: “O único verdadeiro bem da Igreja é a fé do seu povo.”

Aqueles que tentam caracterizar a Igreja como uma instituição que se dedica a acumular riqueza monetária erram completamente o alvo: o propósito da Igreja é trazer as pessoas a Cristo para que elas sigam o Seu exemplo, aliviando os fardos dos que estão em dificuldades. A chave para compreender a Igreja é vê-la não como uma corporação multinacional, mas sim como uma organização com milhões de membros fiéis em milhares de congregações espalhadas pelo mundo que seguem a Jesus Cristo e que cuidam uns dos outros e do seu próximo.
 

Observação de Guia de Estilo: Em notícias sobre A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, pedimos que use o nome completo da Igreja na primeira referência. Para mais informações quanto ao uso do nome, aceda ao Guia de Estilo.